05/05/2015

PESQUISA - COQUETELARIA - FLORA BRASILIENSIS

CLIQUE NA FOTO PARA ACESSAR O LIVRO

Karl Friedrich Philipp von Martius formou-se em medicina e dedicou-se às ciências naturais. Em 1817, integrou a missão científica enviada ao Brasil pelos governos bávaro e austríaco, encarregando-se da seção de botânica, enquanto Johann Baptist von Spix (1781-1826) chefiava a parte de zoologia.

Martius percorreu o Brasil durante três anos, chegando até o alto Amazonas, reunindo material que lhe permitiu publicar extensa e importante obra. De volta à Alemanha, foi nomeado professor da Universidade de Munique (1826) e diretor do Jardim Botânico dessa cidade (1832).

Chegando ao Rio de Janeiro a 15 de julho de 1817, Martius iniciou imediatamente expedições científicas nos arredores da capital. Seguiu para São Paulo e, depois, permaneceu vários meses na província de Minas Gerais

Martius internou-se no sertão, fazendo contato com índios antropófagos e, subindo o rio São Francisco, chegou ao interior de Goiás. Atravessou a Bahia,Pernambuco e, transpondo a Serra Dois Irmãos, visitou as províncias do PiauíMaranhão. A seguir, partindo de Belém do Pará, subiu o rio Amazonas, terminando sua viagem em Santarém, de onde embarcou para a Europa

No decorrer dessa viagem, Martius reuniu cerca de 6.500 espécies de plantas, sem contar o material etnográfico e filológico que a ele igualmente se deve. A principal coleção de plantas está conservada no Museu Real de Munique.


Obra monumental
Como resultado da longa expedição ao Brasil, Martius publicou, junto com Spix, a obra Viagem ao Brasil. Tendo sobrevivido ao zoólogo por quarenta anos, Martius pôde, além dessa obra, dedicar ao Brasil vasta e proveitosa atividade científica.

A maior realização desse notável botânico foi a monumental Flora Brasiliensis, que iniciou em 1840 e dirigiu até 1868. Depois de sua morte, a obra foi continuada por outros colaboradores, sendo concluída em 1906. Em 15 volumes, com 20.773 páginas, e 3.811 gravuras, classifica 850 famílias com mais de 8 mil espécies descritas. Contribuíram para sua publicação Fernando 1º, imperador da Áustria, Luís 1º, rei da Baviera, e Pedro 2º, imperador do Brasil.

Com os dados obtidos no Brasil, Martius publicou também: História natural das palmeirasNovos gêneros e espécies de plantasDesenhos selecionados das plantas criptogâmicas brasileiras; e Sistema dos remédios vegetais brasileiros.

Martius também contribuiu para o estudo da etnografia e da linguística indígenas com as obras Contribuição para a etnografia e a linguística da América, especialmente do Brasil e Glossário das línguas brasileiras, reunindo os termos indígenas colhidos por Spix.


Enciclopédia Mirador Internacional; Oxford Dictionary of Scientists