11/02/2014

Matérias primas da Amazônia serão usadas para fabricação de bebidas

Firmado na última semana um Termo de Cooperação Técnica entre a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), por meio do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), com a empresa Natureza, Indústria e Comércio de Polpa LTDA (Nat Frutas) para a realização de análises de matérias primas da Região Amazônica que visa à produção de bebidas não-alcoólicas.
O termo foi assinado na sede da autarquia, na presença do superintendente adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Regional e Coordenador do Projeto de Implantação do CBA, José Nagib, e prevê, ainda, a coleta de informações sobre composições químicas, teor de ativos e contaminantes que resultem no desenvolvimento de produtos e processos de origem na biodiversidade da Amazônia, sem gerar ônus à Suframa/CBA. 
O Termo tem prazo estipulado de cinco anos, com possibilidade de prorrogação, e consistirá na elaboração de um relatório, por parte do Centro de Biotecnologia da Amazônia, contendo informações sobre a qualidade da matéria-prima analisada a partir do resultado de ensaios analíticos. Todo procedimento será feito nos laboratório do CBA e deve ser avaliado e autorizado pelo Núcleo de Informação Biotecnológica do Centro (NIB/CBA) após apresentação de um projeto específico por parte da Nat Frutas.
Para Airton Soligo, proprietário da Nat Frutas, o acordo entre as partes é “promissor”, principalmente pela utilização do Centro de Biotecnologia da Amazônia na resolução de pesquisas que agregam valor de mercado aos produtos regionais. “O CBA vem cumprir seu papel que é o desenvolvimento da pesquisa, que é agregar tecnologia, que é colocar know-how para desenvolver produtos a partir da matéria-prima que nós temos em abundância na Amazônia”, afirmou Soligo.
Inserção mercadológica
O trabalho a ser realizado nos laboratórios do CBA será liderado pelo grupo de pesquisadores e técnicos que fazem parte do quadro de funcionários do Centro. Os resultados das análises que compõem o Termo de Cooperação Técnica serão verificados em conjunto com a empresa Nat Frutas para que sejam fabricados produtos para inserção no mercado nacional e internacional.
Thomaz Nogueira, superintendente da Suframa, afirmou que “esta é mais uma demonstração de como o CBA pode ser um indutor do desenvolvimento regional a partir da coleta de dados de insumos locais para fabricação de produtos demandados por grandes empresas de diversos segmentos. A expectativa é que cada vez mais pesquisas sejam demandadas ao CBA por empresas interessadas em expandir seus negócios explorando de forma sustentável a matéria-prima local”.
Fonte: