04/01/2014

FRUTAS - VER O PESO - BELÉM - PARÁ

 



TAPEREBÁ
Spondias mombin
COMO É
Fruto de 3 cm, casca fina, lisa e caroço carnoso (com até cinco sementes). No Nordeste, é chamado de cajá - não há consenso sobre sua origem, mas pela variedade de espécies acredita-se que tenha surgido mesmo na floresta amazônica. É cada vez mais difícil encontrá-lo in natura
COMO SE ABRE
Descasca-se com faca
COMO SE COME
De polpa agridoce, dá excelentes refrescos, doces, sorvetes e geleias
CUPUAÇU
Theobroma grandiflorum
COMO É
Os frutos ovalados e de casca dura chegam a pesar 3 kg e são tão perfumados que um cupuaçuzeiro se descobre à distância. O que interessa no fruto é a polpa amarelo-esbranquiçada, que lembra a do cacau. Tem muitas sementes, intrinsecamente coladas à polpa
COMO SE ABRE
Com pancadas dadas com as costas de um cutelo ou com o cabo do martelo
COMO SE COME
Do mesmo gênero do cacau (Theobroma cacao), as sementes são usadas de forma semelhante às desse fruto, para fazer cupulate. A polpa é usada em pratos doces e salgados
CAMU-CAMU
Myrciaria dúbia
COMO É
Os frutinhos típicos de áreas alagadas dão em bagas e têm pele lisa, com bastante polpa
COMO SE ABRE
Parecido com a uva, não se remove a casca
COMO SE COME
É a fruta mais rica em vitamina C do mundo. A polpa tem sido exportada para o Japão. É comida in natura, chupada como uva, e em sucos
PUPUNHA
Bactris gasipaes
COMO É
Fruto da palmeira de onde se extrai o palmito, tem casca fina, polpa alaranjada e gosto que lembra o da castanha portuguesa e a textura da batata-doce. A semente é miúda, mas já há variedades "melhoradas", sem sementes
COMO SE ABRE
Há frutos macios, oleosos e fáceis de descascar em que a casca é removida com os dedos; outros são fibrosos e exigem uso de faca
COMO SE COME
A fruta, que não é doce, é cozida presa ao galho, em água fervente e com sal. É comida pura, com manteiga, mel e geleias

BACURI
Garcinia madruno
COMO É Tem a casca grossa, mas geralmente fácil de cortar. Suas duas ou três sementes são envoltas por uma polpa esbranquiçada
COMO SE ABRE
Com faca, passando a lâmina em todo o diâmetro da fruta para não destruir a polpa, ou com leve golpe de martelo
COMO SE COME
Perfumada, a polpa é um pouco ácida, mas se come in natura. Riquíssima e versátil, é usada para fazer sorvetes, doces, cremes e sucos. Camarão ao molho de bacuri é prato marcante da culinária belenense
BACABA
Oenocarpus bacaba
COMO É
Parece com o açaí e o substitui na entressafra. A casca é manchada; e a polpa, verde-acinzentada
COMO SE ABRE
Casca indivisível da polpa; não se descasca para comer
COMO SE COME
O vinho de bacaba é processado como o do açaí; de sua semente se extrai óleo
UXI
Endopleura uxi
COMO É
Fruto com uma ou duas sementes. A polpa doce se esfarela facilmente
COMO SE ABRE
A casca é fina e quebradiça. Pode ser removida com faca, mas na Amazônia se come a fruta com casca e tudo
COMO SE COME
Os povos da floresta vão roendo o fruto farelento até o caroço. Foi "comida de pobre" por séculos, até a indústria de sorvetes descobrir a riqueza da polpa. Do caroço e da casca se extrai óleo

PEQUIÁ
Caryocar villosum
COMO É
Parente do pequi, o fruto dá em árvores de até 50 m de altura. Tem polpa amarelada e densa e caroço com semente rica em vitaminas. Corre risco de extinção
COMO SE ABRE
Com faca, rompendo toda a extensão da casca, ou batendo para rachar
COMO SE COME
A semente é comida cozida; a polpa, in natura - e rende doces e licores

MARI-MARI
Cassia leiandra
COMO É
Semelhante a uma vagem, tem até 7 cm de comprimento e polpa verde transparente envolvendo as sementes. Tem gomos que lembram comprimidos
COMO SE ABRE
Com faca, ou rompendo ao meio com as mãos
COMO SE COME
Parece ingá: "drops" de polpa ácida e cítrica, são comidos in natura

BURITI
Mauritia flexuosa
COMO É Inconfundível, é fruto de palmeira amazônica. Casca avermelhada e polpa oleosa
COMO SE ABRE
Deve-se imergir os frutos em água morna por 20 a 30 minutos. A casca é removida com faca ou colher, expondo a porção comestível
COMO SE COME
A "puqueca" é a raspagem do coco de buriti para retirar a polpa. Comido in natura, em mingaus ou processado com água para o vinho de buriti, tomado com ou sem açúcar, acompanhado de farinha de mandioca
BIRIBA
Rollinia mucosa
COMO É
Tem casca amarela e molenga. Cada semente é encapsulada por polpa abundante. Doce, lembra atemoia e fruta-do-conde
COMO SE ABRE
Abre-se facilmente com as mãos
COMO SE
COME Comendo a polpa diretamente do fruto

TUCUMÃ-DO-PARÁ
Astrocaryum vulgare
COMO É
Tem polpa fibrosa, delgada, tinge os dedos de laranja. Há outra espécie encontrada na Amazônia, Astrocaryum aculeatum, tida como a de polpa mais crocante e doce, de casca áspera
COMO SE ABRE
A casca é removida com os dedos, descascando-se como uma banana, ou com a ajuda de faca
COMO SE COME
A polpa pode ser comida in natura ou macerada para fazer vinho de tucumã, caldo rico e alaranjado consumido como suco ou molho em pratos salgados. Do caroço se extrai um óleo
MURICI
Byrsonima crassifolia
COMO É
Fruta pequena, bastante perecível, com caroços e polpa com sabor que lembra queijo
COMO SE ABRE
A casca é uma película delgada, quase imperceptível. Não é necessário tirar
COMO SE COME
Também chamado de muruci, é consumido in natura sem se remover a casca
AJIRU
Chrysobalanus icaco
COMO É
Há variedades pretas, amarelas e vermelhas. Tem polpa esponjosa, macia e doce
COMO SE ABRE
Com as mãos
COMO SE COME
In natura e para preparar licores e doces, com leite condensado e creme de leite
INGÁ-CHINELA
Inga cinnamomea
COMO É
A vagem chega a 27 cm de comprimento e dá nas várzeas dos rios. A casca dura e amarelada guarda sementes envoltas em polpa bem doce e branca que parece floco de algodão
COMO SE ABRE
Com um pequeno impacto sobre superfície dura
COMO SE COME
Fruta para se olhar, só o arilo (polpa) é comestível